Palestra abre Campanha de Conscientização do Autismo na Tropicália Transmissora

Nesta quarta-feira (6/4), foi realizado o primeiro evento da Campanha Abril Azul, realizada pela Tropicália Transmissora de Energia em conjunto com PCH Braço, Tevisa, LGSA e Povoação Energia, com o objetivo de conscientização sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A palestra “Autismo: A importância da intervenção precoce” foi ministrada pela psicóloga Pâmella Oliveira, especialista em em Análise do Comportamento Aplicada ao TEA e sócia fundadora da Clínica Somos Desenvolvimento Infantil.

A sala virtual foi disponibilizada não só para os funcionários das empresas realizadoras, mas também para o público em geral. De acordo com a organização do evento, a ideia foi ampliar o compartilhamento de informações seguras e confiáveis, ajudando na conscientização. As empresas tinham como meta dessa campanha, trazer o autismo para o debate e provocar o maior número possível de pessoas a pensar sobre a importância da inclusão e do respeito. Por isso, o evento ao vivo foi aberto a todos os interessados.

Entre os principais pontos abordados na palestra estavam a importância de um diagnóstico precoce para garantir melhor qualidade de vida para as crianças, o que é o autismo, os sinais de alerta, as estatísticas, como lidar com o diagnóstico positivo para TEA e o tratamento, e o autismo nos adultos.

“Os sinais de autismo aparecem aos 2 ou 3 anos de idade, mas podem ser apresentados com 6 meses. Também tem possíveis comorbidades associadas como epilepsia, TDH, Toc, bipolaridade, depressão entre outros. E o que essas crianças precisam é apoio. Também é importante ressaltar que não se deve ficar preso a estereótipos, pois existem diferentes níveis de severidade e comportamentos diferentes para cada pessoa, cada um lida e reage de um jeito”, explicou Pâmella.

 

A psicóloga também destacou que, na dúvida, o ideal é buscar aconselhamento profissional e fontes seguras de informação, pois há muitos mitos. “Não tem forma de prever o autismo, há grupos em que o risco é maior, como as crianças que possuem histórico familiar, especialmente irmão com TEA, mas também não é uma regra. O que as estatísticas mostram é que é 4 vezes mais comum em meninos do que em meninas e que 1 a cada 44 crianças é diagnosticada com TEA. Se achar que tem algo estranho com a criança, é melhor investigar e não ser nada, do que lá na frente ter que lidar com os prejuízos. Existem profissionais especializados para diagnosticar e lidar com o autismo”.

 

 

Pâmella também relatou que o tratamento reduz os sintomas; aumenta a qualidade de vida da criança, pois diminui o impacto na rotina funcional; maximiza o aprendizado da criança e previne efeitos secundários negativos. “Mas nem sempre o diagnóstico vem na infância, o TEA em adultos é uma realidade e muitos não sabem que possuem o transtorno de espectro, o que impacta negativamente suas vidas. O que acontece muitas vezes, é o adulto descobrir que possui o TEA quando um filho é diagnosticado”.

Entre os principais sintomas em adultos com TEA estão:

 

Saiba mais sobre a palestrante

Pâmella Oliveira

Psicóloga formada pelo Centro Universitário IBMR em 2017, pós graduanda em Análise do Comportamento Aplicada ao TEA pelo IEPSIS e certificada no Modelo Denver de Intervenção Precoce (ESDM), pelo Mind Institute, UC Davis, Sacramento/ Califórnia.

Sócia fundadora da Clínica Somos Desenvolvimento Infantil e supervisora geral da Capacite Instituto de Intervenção precoce.

Certificação na Escala Bayley de Desenvolvimento Infantil (instrumento de avaliação que investiga o desenvolvimento de bebês e crianças entre 1 e 42 meses de idade), cursos de extensão em ABA e Habilidades sociais e em Terapia Cognitivo Comportamental para Crianças e Adolescentes.

Contato profissional: 21 99991-5521

Publicado por KICk

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Este site não coleta cookies e usa dados pessoais de acordo com o nosso Aviso de Privacidade . Para mais informações, consulte AQUI. Ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.