Pais de autistas alertam sobre necessidade de diagnóstico precoce e tratamento

campanha autismoO que o analista de TI, Leonardo Valente; a Técnica de Segurança do Trabalho, Solange Oliveira; e a farmacêutica e aromaterapeuta Jackeline Martins têm em comum vai muito além de vivências semelhantes como pais de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), eles trazem uma coragem de enfrentar os desafios e um grande amor incondicional capaz de transformar preconceito em compreensão e empatia.

Esta semana, no dia 28 de abril, os três formaram uma roda de conversa, mediada pela jornalista Dani Klein, que foi transmitida ao vivo e está disponível no Youtube, em que compartilharam suas experiências desde os primeiros sinais que sentiram sobre a diferença no desenvolvimento dos filhos e outras crianças da mesma idade, até a decisão de buscar o diagnóstico, a dificuldade de aceitar e de ter a aceitação da família, a busca incansável por tratamento e inclusão social, a mudança total na rotina pessoal e profissional.

A ação fez parte da Campanha de conscientização ao autismo, com o tema: “Autismo. Compreenda, respeite e acolha”, promovida pela Tropicália Transmissora de Energia em conjunto com Povoação, Tevisa, LGSA e PCH Braço com o objetivo de conscientizar sobre o distúrbio do neurodesenvolvimento, que se inicia nos primeiros anos da infância e persiste por toda a vida, e estimular a intervenção precoce no autismo.

Quer assistir todo o debate? Acesse o link e veja no Youtube!

Leonardo é pai de Miguel, hoje com 10 anos, ele relatou o baque ao perceber que não era mais possível ignorar os sinais. Segundo ele, o momento decisivo foi em uma festa de aniversário em que notou o filho isolado, quando o filho tinha 20 meses. “Calma aí, por que ele está separado das outras crianças? Ele já falava algumas palavras e tinha regredido. Fui trabalhar péssimo no dia seguinte, e os colegas de trabalho perceberam. Meu gerente na época veio falar comigo, eu expliquei a situação e ele me disse: ‘vai para a casa, reflete, eu tenho um filho autista também’. Palavras dele! Eu fiquei pensando isso o dia todo, e resolvi que ia enfrentar. Não ia cair. Meu filho precisava de ajuda”.

Depois disso, foram vários médicos. Na primeira consulta o diagnóstico foi de “Criança mimada”! Mas Leonardo e a esposa não desistiram, encontraram profissionais competentes no trato com a questão, e iniciaram o mais rápido que puderam o tratamento. “E no dia 2 de abril de 2019 ele falou sua primeira palavra e em 2 de abril deste ano de 2022, ele recebeu alta da Dra. Patrícia, a fono que acompanha ele desde o começo, e que tem toda minha admiração. Ele atualmente fala tudo, pede tudo”, conta emocionado.

A Solange descobriu o autismo do Arthur quando ele tinha 2 anos e 6 meses, graças a ajuda da escola. O filho tinha uma pirraça que não era comum, mas a escola insistiu muito que eu levasse ao neuropediatra. Na consulta, parece que tudo que ele tinha que fazer para o médico perceber que ele tinha TEA, ele fez. Já saí de lá com o diagnóstico. Foi difícil conseguir o tratamento, mas felizmente tive muito apoio na empresa. Minha gestora me disse que ‘filhos especiais, têm mães especiais’ e que a gente iria de mãos dadas cuidar do Arthur. Isso me marcou muito. Hoje, eu estudei muito e descobri que não é o fim do mundo! Tem tratamento! Meu filho já está falando suas primeiras palavras e pedindo as coisas”.

Para o filho de Jackeline, Inácio, a poda neural aconteceu aos 12 meses. “Quando ele fez um ano, ele começou a regredir. Foi de repente, ele começou a não responder e não ter mais o desenvolvimento que a irmã gêmea. Tem pais que acham que essas coisas acontecem porque a criança não tem muito contato com outras crianças, mas eu nem poderia pensar isso, porque tinha duas irmãs ali. Foi difícil aceitar, difícil o diagnóstico, e depois mais difíceis ainda as barreiras para conseguir o suporte do plano de saúde e no trabalho. A empresa que eu atuava na época, era diferente da do Leonardo e da Solange, eu tive que optar entre meu filho ou emprego, pois não tinha flexibilidade no trabalho. Eu escolhi meu filho e comecei a me aprofundar no estudo e empreender em aromaterapia, como terapia integrativa para ajudar meu filho e outros a ter alternativas”.

O diagnóstico de Inácio também fez Jackeline a olhar diferente para a filha mais velha, atualmente com 10 anos. “Na época ela estava com quase 9 anos, e eu percebi que a dificuldade dela na escola poderia não ser preguiça ou por ser
mimada. Levei ela no neurologista e conformou o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Ela começou o tratamento e este ano, pela primeira vez, ela conseguiu fazer a prova sozinha e tirou notas boas. E eu fiquei muito feliz, porque foi um grande avanço”.
“Peque pelo acesso. Procure ajuda! Se eu tivesse aceitado o primeiro diagnóstico de que meu filho era mimado, hoje ele não estaria falando e se desenvolvendo”, ressalta Leonardo em alerta a todos os pais.

Publicado por KICk

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Este site não coleta cookies e usa dados pessoais de acordo com o nosso Aviso de Privacidade . Para mais informações, consulte AQUI. Ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.